Mark Certo:    Faça seu Web Site   |   Hospede seu Web Site   |   Loja Virtual  |   Automação Comercial  |   Assessoria
 
E-Mail:   Senha:  
 
Ainda não sou cadastrado Esqueci a senha
 
Saiba Mais
Apresentação 100% de Lucro
Fã Clube Terceira Idade
Plantas Tóxicas
A Globalização Humana
Longevidade & Precocidade
Porque Envelhecemos
Receitas & Culinárias
Turismo & Lua-de-Mel
Medicina & Conhecimento
Carteiras e Vacinas
Sonhondo Com Animais
Livro Revelador dos Sonhos
Saúde & Exercícios
Jogos & Esportes Diversos
Alimentação Saudável
Miss Mister Terceira Idade
Viagens & Turismo
Astrologia / Horóscopo
Doenças Humana
Dicas de Relacionamento
Você quer Ter Saúde?
Aposentadoria INSS
TaroAstro Místico Milenar
Apostilas Os Chakras
Homenagens a Pessoas
Curso G P Gestão de Pessoas
Excursão Terceira Idade
JEC Junqueirópolis Esporte Clube
Negocios de Sucesso Online
Aprendendo a Tocar Violão
Artigos Cidades & Eventos
Telefones Úteis / Cidades
Academias & Saúde
Revelando Os Seus Sonhos
Bibliotéca Virtual
Direito ao Transporte
Serviços & Recursos
Agenda / Calendário
Galeria de Imagens
Galeria de Vídeos
Cadastro | Sou Fã
Produtos Promocionais
Fórum
Links Úteis
Notícias & Curiosidades
Parceiros
Fale conosco
 
 
 
 
08/12/2013
O Homem X Mulher
Como Pensar Sobre a Intimidade
saiba +
 
 
Saúde & Exercícios | Doenças do Colágeno
Doenças do Colágeno  
Nem todos os homens que sofrem um trauma peniano leve desenvolvem a doença de Peyronie. Por esse motivo, a maioria dos pesquisadores acredita que deve haver fatores genéticos ou ambientais que contribuem para a formação da placa. Os homens com certas doenças do colágeno (como a contratura de Dupuytren ou a timpanoesclerose) e os homens com parentes com doença de Peyronie têm risco aumentado de desenvolver a doença. Outras situações como diabetes, tabagismo ou um trauma pélvico também podem resultar em cicatrização anormal e podem contribuir para o desenvolvimento da doença de Peyronie. A doença de Peyronie é essencialmente um desarranjo na cicatrização de feridas. Uma vez que está relacionada à cicatrização, a doença é um processo muito dinâmico inicialmente, mas com o tempo as mudanças inflamatórias tendem a diminuir. Na verdade, essa doença se divide em dois estágios distintos. O primeiro estágio é a fase aguda, que dura seis a dezoito meses e se caracteriza por dor, aumento da curvatura peniana e formação de placas penianas. O segundo estágio é a fase crônica, quando a deformidade se estabiliza. À semelhança da primeira fase, na fase crônica a deformidade pode interferir com a atividade sexual e pode haver disfunção erétil associada. A dor com a ereção tipicamente já se resolveu nesta fase.
 
 
Fã Club Grupo Terceira Idade
Onde o Futuro Acontece

© 2018 - Todos os direitos reservados
Melhor visualizado em 1024px / 768px
Projetado e Desenvolvido:
MARKCERTO - Qualidade Interativa